Síndrome de Asperger: conheça o autismo de alto funcionamento

síndrome de asperger autismo de alto funcionamento transtorno do espectro autista TEA

Dentro do transtorno do espectro autista (TEA), existe o autismo clássico e o autismo de alto funcionamento. Este compreende a síndrome de Asperger. A síndrome de Asperger faz parte do complexo que é denominado transtorno global do desenvolvimento.

A síndrome de Asperger é uma condição que afeta principalmente o desenvolvimento. Apresenta-se por alterações neurológicas caracterizadas por um maior ou menor grau de comprometimento nas habilidades sociais, de linguagem e comunicação. Podem apresentar padrões repetitivos ou restritivos de pensamento e comportamento.

Difere-se do autismo clássico, pois, indivíduos com síndrome de Asperger mantêm suas habilidades iniciais de linguagem, no autismo clássico manifesta-se inicialmente, antes dos três anos de idade, com ausência total de linguagem.

O sintoma mais característico da síndrome de Asperger é o interesse muito grande, quase obsessivo, em um único objeto ou temática, com a exclusão de qualquer outro. Por exemplo, pessoas com síndrome de Asperger querem saber tudo sobre um assunto de interesse. Muitas vezes as suas conversas são restritas a estes assuntos.

Considera-se a síndrome de Asperger como autismo de alto funcionamento. Dessa forma, o indivíduo apresenta-se perito em determinado assunto e o alto nível de vocabulário (termos utilizados) e padrões formais de fala fazem com que pareçam pequenos professores.

Apresentam-se também, como características da síndrome de Asperger: rotinas ou rituais repetitivos; peculiaridades na fala e linguagem; comportamento social e emocionalmente inadequado e a incapacidade de interagir com sucesso com os pares; problemas com comunicação não verbal; e movimentos motores desajeitados e descoordenados.

As pessoas com síndrome de Asperger são isoladas devido à sua inabilidade social e interesses limitados. Existem indivíduos que conseguem se aproximar de outras pessoas, mas não conseguem desenvolver conversação normal por meio de comportamento inadequado ou excêntrico, ou por querer apenas falar sobre seu interesse singular.

Quanto a abstração, tanto o autismo clássico quanto o autismo de alto funcionamento na síndrome de Asperger apresentam-se com sua ausência. Ou seja, as palavras são utilizadas ao pé da letra, por exemplo: pé da cadeira, chuva de canivete. Estas pessoas não conseguem verificar o sentido figurado da frase.

As pessoas com síndrome de Asperger podem apresentar atraso no desenvolvimento de habilidades motoras: pegar uma bola, escalar um equipamento de brincar ao ar livre ou pedalar uma bicicleta. Muitas vezes apresentam-se como pessoas desajeitadas e mal coordenadas.

Gosto sempre de colocar exemplos, para conhecer mais sobre a síndrome de Asperger: indico o filme ADAM (2009). Para o autismo clássico, indico o filme argentino: Farol das Orcas (2016). Em ambos os filmes é possível observar todo o comportamento do protagonista, bem caracterizado pelos atores. Apesar de noticiado, o jogador Messi nunca apresentou nenhum quadro que remeta a síndrome de Asperger ou transtorno do espectro autista (ver link)

O ideal, antes de qualquer suspeição desta condição, necessita-se de avaliação com equipe multiprofissional, incluindo o psiquiatra, neurologista, neuropsicólogo e médico geneticista. Vale ressaltar a importância do diagnóstico correto para que possa ser realizado o posterior aconselhamento genético.

Caio Graco Bruzaca

Author Caio Graco Bruzaca

Médico geneticista pela Unicamp e Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM). Especialista em genética de casais (perda gestacional recorrente, infertilidade, casais de primos), medicina fetal, oncogenética e doenças raras.

More posts by Caio Graco Bruzaca

Leave a Reply